10 dicas para economizar no material escolar

O começo do ano dá início a uma saga já conhecida por muitas famílias brasileiras: a compra do material escolar. E para 2023, a previsão é que esse custo fique de 15% a 30% mais caro, de acordo com a Associação Brasileira de Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares. Para evitar que esse aumento considerável pese ainda mais no bolso, é preciso planejamento e atenção na hora de comprar os itens. Confira a lista com as 10 dicas que a Porto montou para ajudar a dar conta dessa lista extensa e começar o ano economizando!

Informe-se e revise a lista

Assim que receber a lista de materiais da escola, verifique se todos os itens fazem sentido. As instituições só podem exigir a compra de materiais que serão usados para as atividades pedagógicas diárias e individuais do aluno. Itens de uso coletivo ou recreativo, como copos descartáveis, giz, produtos de higiene e brinquedos não podem ser solicitados. A lei 12.886/13 também proíbe a exigência de materiais em excesso, como 10 borrachas ou 20 resmas de papel. Por isso, se algum desses itens aparecer na lista, questione a escola para que sejam feitos os ajustes necessários.

Reaproveite os materiais do ano anterior

Com a lista em mãos, é a hora de verificar o que pode ou não ser reaproveitado. Verifique se algum material do ano anterior, como canetas, lápis, livros e cadernos, ainda podem ser utilizados. Se tiver filhos com idades diferentes, analise quais itens podem ser repassados do irmão mais velho para o mais novo. Você também pode entrar em contato com os pais de alunos de outras séries para saber se eles têm interesse em doar, trocar ou vender os livros. Outra opção é procurar pelos materiais em sebos ou lojas de livros usados. Com uma boa pesquisa, é possível economizar até 50% do valor original.

Não compre tudo de uma vez

Nem tudo que está na lista será usado imediatamente. Procure saber com a escola quais são as necessidades imediatas e deixe para comprar o restante ao longo do ano letivo. O mês de janeiro já é cheio de outras despesas que não podem ser adiadas, como os impostos. Por isso, certifique-se que só está comprando o que é necessário para o momento. Os livros paradidáticos, por exemplo, costumam ser divididos por trimestre. Já o uniforme não costuma mudar de um ano para o outro e pode ser reutilizado se ainda estiver em bom estado. À medida que os meses forem passando, a tendência é que os preços dos materiais escolares diminuam, já que a procura não vai ser mais tão intensa.

Pesquise em diversas lojas

A pesquisa é uma etapa cansativa, porém necessária, para quem quer economizar na compra dos materiais escolares. Mas, para isso, é preciso planejar com antecedência. Comece procurando nas lojas online, que costumam ser mais baratas e terem mais promoções que as lojas físicas. Registre todos os lugares onde você encontrou os menores preços e, então, visite as lojas físicas para comparar as ofertas. Mostre ao vendedor que você encontrou mais barato em outro lugar para ver se a loja cobre o preço. Não esqueça, também, de calcular o valor do frete da loja online para o seu endereço para decidir se vale mais a pena comprar no site ou na loja física.

Compre no atacado

Muitas lojas de materiais escolares oferecem a opção de comprar em atacado e pagar mais barato. Por isso, vale conversar com outros pais que tenham filhos da mesma idade letiva que os seus e comparar as listas para encontrar itens em comum. Normalmente, o preço do atacado é, em média, 40% mais baixo que o preço do varejo, o que representa uma economia significativa. Caso você ainda não tenha intimidade com os outros pais, sugira a criação de um grupo onde todos possam compartilhar as listas e organizar a melhor forma de comprar em grande quantidade para garantir o desconto.

Faça do cartão de crédito seu aliado

Planeje as suas compras com o auxílio do cartão de crédito. Verifique as possibilidades de parcelamento sem juros nas lojas de materiais escolares e mantenha o controle desses gastos por meio das próprias faturas, que trazem o detalhamento das compras, ou por planilhas de controle financeiro.

Além disso, o uso do cartão de crédito traz benefícios como o acúmulo de pontos que podem ser revertidos nas compras dos materiais escolares do próximo ano.

Vá às compras sozinho

Por mais que seja tentador levar as crianças com você na hora de comprar os materiais escolares, a melhor opção para quem está precisando economizar é ir sozinho. Isso porque os pequenos são muito suscetíveis aos personagens utilizados pelas marcas, o que faz com que o custo final dos itens acabe sendo bem mais alto, simplesmente pelo fato de ser de um desenho ou filme conhecido. Como alternativa, você pode incentivá-los a customizar os próprios materiais ou negociar uma quantidade limite de itens “da moda” que eles podem escolher.

Dê preferência às lojas especializadas

As lojas que não são do ramo de material escolar normalmente são mais caras que as especializadas, pois os lojistas costumam cobrar mais caro para ter lucro, já que não vendem esses produtos em grandes quantidades. Por isso, evite comprar itens escolares em supermercados ou lojas de bairro e recorra às grandes varejistas do setor. A mesma coisa vale para os livros didáticos e paradidáticos. Se comprar livros usados não é uma opção para você, procure livrarias especializadas em títulos educacionais ou tente comprar direto na editora.

Não deixe para última hora

Quem compra às pressas não consegue pesquisar as melhores ofertas e pode acabar pagando mais caro ou, pior, ficando sem o produto. Isso porque a máxima da “queima de estoque” não funciona da mesma forma para os materiais escolares. Enquanto a maioria do varejo oferece descontos para acabar o estoque, esse mercado aposta na lei da oferta e procura. Ou seja, quanto mais pessoas estiverem procurando o mesmo produto, mais caro ele fica. E como muitas escolas usam os mesmos livros, isso acaba acontecendo todos os anos. Por isso, é melhor se programar para evitar essa dor de cabeça!

Faça as compras no final do ano, não no começo

Essa dica aqui já fica para o próximo ano letivo! Muitas escolas começam a disponibilizar a lista de materiais escolares entre novembro e dezembro e uma boa dica é aproveitar esses meses para fazer as compras. Isso porque a demanda no final do ano é bem menor do que quando comparada a janeiro, que é o mês oficial das compras escolares. Consequentemente, quem deixa para comprar esses itens somente quando o ano começa, acaba pagando mais caro. Além disso, entre novembro e dezembro, a maioria das pessoas recebe o 13º salário, que já é uma renda extra para arcar com esses custos sem precisar parcelá-los no cartão.

Fonte: Porto Seguro